0 Item

O mundo do desenvolvimento de softwares tem mudado rapidamente nos últimos anos. Metodologias tradicionais foram trocadas por formas de criar aplicativos mais ágeis. Ao mesmo tempo, o ambiente de trabalho tornou-se mais integrado e com mais espaço para inovação.

Atualmente, o mercado exige de quem trabalha nessa área a capacidade de inovar e modificar os seus processos de trabalho rapidamente. Há a necessidade de trabalhar com flexibilidade, tornando times mais receptivos a mudanças de metas e com canais de comunicação abertos. E, nesse cenário, a gestão de projetos tem um papel de destaque, evitando erros, atrasos e outros fatores que contribuem para problemas na entrega de produtos.

Mas como garantir que o gerenciamento de desenvolvimento de softwares seja feito corretamente? Quais são as melhores práticas do mercado para atingir esse objetivo? Quais tendências são capazes de criar mais integridade e agilidade para o negócio? Confira abaixo!

1. Seja flexível

Um dos principais pontos para trabalhar de maneira inteligente no gerenciamento de desenvolvimento de softwares é sendo flexível. Hoje, cada projeto exige uma metodologia única, que seja adaptada às necessidades do usuário e consiga entregar uma aplicação inteligente e inovadora. E, nesse contexto, ter uma rotina de trabalho muito engessada pode ser fatal para o sucesso da empresa.

Tenha a capacidade de adaptar-se a mudanças de cenário rapidamente. Crie times com conhecimentos multidisciplinares, que consigam atuar evitando erros, reduzindo prazos e alinhando os seus processos conforme as metas são definidas.

Além disso, sempre avalie as medidas tomadas ao final de cada etapa de um projeto de desenvolvimento. Dessa forma, você conseguirá identificar quais são os processos que podem ser mantidos em determinados cenários e quais são aqueles que devem ser utilizados em outros momentos.

2. Adote indicadores de desempenho

Os indicadores de desempenho são uma estratégia inteligente e disseminada amplamente no mercado, para que empresas possam ter uma visão abrangente sobre vários aspectos do negócio. Por meio deles, o gestor responsável pela gestão de projetos de desenvolvimento deve estar atento a quais métricas são capazes de indicar problemas, gargalos operacionais e pontos que necessitam de melhorias.

Logo no início de um projeto, crie indicadores de desempenho para avaliar como cada time está trabalhando. Defina parâmetros de performance diversos, que avaliem o número de erros no código-fonte, a frequência com que erros de execução ocorrem e a aderência de profissionais aos prazos criados.

Todos esses fatores estão diretamente ligados à qualidade do produto final. Portanto, é importante que a empresa saiba avaliar esses indicadores continuamente por meio de um processo de melhorias de alto impacto.

3. Crie projetos granulares

Durante o planejamento, busque criar um projeto com mais etapas. Essa abordagem dá mais flexibilidade ao negócio, que conseguirá avaliar melhor a qualidade do produto que está sendo criado e as chances do sistema atender à demanda de usuários, clientes e parceiros comerciais.

Com etapas menores, a companhia realizará processos de avaliação de performance frequentemente. Dessa forma, o risco de um processo de baixa qualidade ser mantido por muito tempo cai: as mudanças serão feitas rapidamente, evitando um grande impacto negativo nos resultados da empresa.

Ao mesmo tempo, as chances da companhia criar um produto que não atenda às necessidades de seu cliente cai drasticamente. Com um processo de desenvolvimento granular, é possível fazer correções, melhorar os métodos utilizados para atender pré-requisitos e reposicionar projetos sempre que for necessário sem grandes dificuldades. Em outras palavras, será mais fácil para a empresa criar um produto de qualidade.

4. Tenha ferramentas para distribuição de tarefas

Um dos pontos principais da gestão de projetos é a divisão de rotinas entre cada time. Essa atividade, em princípio, simples, tem um impacto direto na capacidade do negócio de se manter funcional, com alta produtividade e livre de erros. Ao mesmo tempo, ela evita que profissionais fiquem responsáveis por processos que não estão adaptados com as suas melhores qualidades, o que pode ocasionar queda na produtividade e maior dificuldade para atingir metas.

Nesse sentido, a implementação de uma ferramenta para a gestão de atividades pode causar um grande impacto no gerenciamento de desenvolvimento de sistemas. Com esse tipo de solução, gestores podem distribuir rotinas rapidamente para times ou profissionais de maneira centralizada.

Além disso, o progresso é acompanhado facilmente. Como consequência, o gestor poderá realizar mudanças ou encontrar problemas rapidamente, evitando quedas na produtividade ou atrasos.

É importante que o software esteja alinhado com o perfil da empresa. Muitas aplicações para gestão de tarefas já utilizam metodologias ágeis para o seu desenvolvimento. Assim, elas levam rotinas de trabalho modernas para um ambiente digital, simplificando o uso de métodos de criação de sistemas modernos.

5. Tenha a metodologia correta

Um dos pontos-chaves da criação de um sistema é a escolha da metodologia a ser utilizada. É importante que os métodos adotados pelo gestor estejam alinhados com os objetivos do cliente, além de serem capazes de entregar uma aplicação que consiga corresponder aos requisitos corretamente.

O primeiro passo para realizar uma escolha correta é alinhar objetivos entre todos os times. Isso evitará que o resultado final não cumpra as expectativas de todos os envolvidos no projeto.

Além disso, devem ser mapeados os riscos, os indicadores, os objetivos, as funcionalidades básicas, os padrões de segurança e os de controle. Tais fatores influenciam diretamente na escolha da metodologia de desenvolvimento: em alguns casos, é melhor fazer uma gestão de projetos focada em um sistema moderno e seguro, em outros, o negócio pode focar os seus recursos na entrega rápida de funcionalidades.

Com a metodologia adequada, a rotina de gerenciamento de desenvolvimento de softwares será mais prática e rápida. A empresa poderá criar um software bem estruturado, por meio de testes bem direcionados e com uma estrutura adequada ao uso que será feito do sistema. Como consequência, a companhia entregará uma ferramenta de alta performance, que atenda às necessidades do usuário e maximiza a sua capacidade de atender a demandas externas.

Gostou das nossas dicas e quer receber outros conteúdos do blog em primeira mão diretamente na sua caixa de entrada? Então, assine já a nossa newsletter!