Afinal, qual é o papel do MVP no desenvolvimento de software?
0 Item

O desenvolvimento de softwares é uma atividade complexa e sujeita a vários riscos. Quando uma empresa optar por criar um sistema, um grande número de profissionais, de diferentes setores, atuará em cada etapa.

Times de marketing, desenvolvimento, suporte, planejamento, vendas e gestão unem-se para criar um produto inteligente, moderno, funcional e conectado com as necessidades dos usuários. E, por isso, em vários momentos podem ocorrer falhas capazes de gerar atrasos e reduzir o sucesso da iniciativa.

Para garantir que todos os requisitos e objetivos sejam atingidos, as empresas contam com uma série de estratégias, como a criação de canais de comunicação entre as equipes e a definição de processos de feedback. Nesse sentido, o MVP tem se destacado como uma forma inteligente de testar a viabilidade de um produto, reduzir riscos e garantir o sucesso de cada projeto.

Quer saber mais? Então, confira abaixo qual é o papel do MVP em projetos de desenvolvimento de software e como ele pode ser utilizado pela sua empresa para melhorar as taxas de sucesso de cada iniciativa!

O que é MVP?

Sigla para Minimum Viable Product (Produto Mínimo Viável, em uma tradução livre), esse conceito foi criado pelas startups e já foi integrado em diferentes setores. Em geral, o MVP pode ser compreendido como um “protótipo” de um produto ou serviço, feito vara validar a sua viabilidade e, assim, garantir que o resultado final atenderá a todas as expectativas. Por isso, essa é uma das etapas mais importantes do processo de desenvolvimento de um programa.

Em outras palavras, esse estágio do projeto de desenvolvimento de um software em que o Minimum Viable Product é apresentado pode ser compreendido como o momento em que as funcionalidades mais simples são entregues dentro de um pacote com o menor tamanho possível e o mais próximo do resultado final. Dessa forma, caso algo que possa ser modificado seja encontrado, mudanças podem ser realizadas logo nas etapas iniciais, evitando problemas futuros.

Por que o uso do MVP pode ajudar no sucesso do negócio?

O Minimum Viable Product pode ser uma importante estratégia para quem trabalha com o desenvolvimento de softwares. Nas startups, por exemplo, o papel do MVP é de destaque: ele auxilia os profissionais a demonstrarem para os clientes e investidores a base dos seus produtos e serviços, as suas funcionalidades básicas e os padrões de funcionamento.

Em outras palavras, o MVP serve como um motor de crescimento para startups. Ele garante ao negócio um crescimento sustentável, atuando junto a outros fatores (como anúncios pagos e propagação boca a boca) para auxiliar o empreendedor a divulgar o seu serviço.

Barato e fácil de ser produzido, o MVP deve ser feito com foco nos objetivos do cliente e no que foi acertado nas etapas iniciais de planejamento do projeto. Dessa forma, a empresa conseguirá verificar se os profissionais estão criando um produto alinhado com as necessidades do usuário e que seja capaz de atender a todas as expectativas envolvidas na iniciativa. Além disso, o Minimum Viable Product reduz os riscos do projeto, evitando prejuízos, atrasos e a obrigação de executar processos mais de uma vez.

O MVP não deve ser visto simplesmente como um produto inacabado. Ele é uma forma de criar alguma coisa com foco no aprendizado: por meio dele, os profissionais conseguem compreender melhor as necessidades dos clientes, identificar pontos que precisam de aperfeiçoamento e avaliar quais aspectos estão corretamente colocados. Em outras palavras, ele funciona como uma “maquete” da ferramenta ou serviço.

Como implantar o MVP em um projeto de desenvolvimento de software?

A integração do conceito de MVP no dia a dia de um projeto de desenvolvimento envolve uma série de processos. É importante que a empresa assimile os conceitos da metodologia Lean, uma vez que ela foi utilizada como base para a criação dessa ideia.

O primeiro passo é compreender que o MVP deve apenas demostrar como o produto funcionará e, diante disso, deve ter o mínimo de funcionalidades para que possa ser testado. Em alguns casos, mesmo um mockup já basta para demonstrar ao cliente como cada funcionalidade estará estruturada.

Cada recurso deve ser testado, de forma que o gestor possa compreender como o produto final atenderá às demandas dos clientes e parceiros comerciais. O importante não é entregar uma cópia básica da ferramenta ou serviço e como ela funcionará ao ser concluída, mas sim testar a sua viabilidade comercial. Não se esqueça: a criação do MVP envolve a formulação de hipóteses e o teste de cada uma delas.

As hipóteses mais básicas envolvem as funcionalidades e o potencial mercadológico do que está sendo criado. Por isso, é preciso compreender como cada recurso pode atender às demandas dos clientes. Ao mesmo tempo, é importante identificar se o produto tem o potencial comercial esperado e se é capaz de ser lucrativo para o empreendimento.

Além disso, é fundamental estar aberto a mudanças. A empresa precisa criar mecanismos para incorporar modificações facilmente, uma vez que elas dão mais segurança ao sucesso da iniciativa.

Chamadas de pivotamentos, essas mudanças evitam uma série de problemas no final do projeto. A empresa conseguirá alinhar expectativas, reduzir falhas e tornar o produto criado mais inteligente e conectado com as necessidades dos usuários. Assim, o projeto terá o máximo de retorno possível.

A empresa também pode utilizar uma plataforma de desenvolvimento de software para adotar o MVP com facilidade. Essa solução permite ao negócio produzir versões incrementais do produto com agilidade, acelerando a rotina da equipe. Como consequência, será possível manter o foco na entrega de produtos e nas necessidades do cliente.

Qual é o papel do MVP na melhoria dos processos de desenvolvimento de software?

O MVP traz grandes vantagens para o desenvolvimento de softwares. Ele cria um ambiente com menos incertezas, em que os profissionais podem contar com mais segurança ao criar um produto, uma vez que os clientes e demais envolvidos no projeto já terão uma visão abrangente do que será entregue.

O planejamento de custos de desenvolvimento e os valores finais também ficam mais claros. Assim, a empresa consegue eliminar riscos rapidamente e maximizar o sucesso do projeto. Vale destacar, ainda, que o MVP torna o processo de criação de sistemas mais integrado: profissionais de vários setores (como vendas, marketing, desenvolvimento e design) devem fazer parte dessa iniciativa, o que aumenta a cooperação entre os times.

Portanto, o papel do MVP deve ser de destaque nos projetos de desenvolvimento de software, dando as bases para a empresa criar ferramentas mais inteligentes e conectadas com as necessidades de seus usuários. Ao mesmo tempo, a lucratividade da iniciativa será maior, uma vez que os erros e os problemas no cumprimento das metas serão menos frequentes.

Quer ficar por dentro de outros conteúdos sobre tecnologia e saber como melhorar o desenvolvimento de seus projetos? Então, siga as nossas redes sociais: estamos no Facebook, Twitter, YouTube, LinkedIn, Google+ e Instagram!