0 Item

O uso de ferramentas para desenvolvedores vem causando uma verdadeira revolução nos processos de criação de softwares. O mercado está muito mais concorrido, portanto foi preciso repensar a forma de programar. Por isso, cada vez mais, os profissionais da área buscam por esse tipo de solução — sejam eles de front-end, back-end ou mesmo full stack.

Entretanto, algumas dúvidas costumam surgir em relação ao uso das ferramentas integradas. Afinal, quais são suas vantagens? Vale mesmo a pena investir? É muito difícil utilizá-las?

Não se preocupe! Criamos este post para mostrar os maiores benefícios dessas ferramentas para que você possa avaliar se elas são uma boa opção para as suas equipes. Confira!

Aumento da produtividade

Em primeiro lugar, é preciso ter em mente uma característica básica desse tipo de solução para desenvolvedores. Os softwares que sua empresa desenvolve podem ter as mais variadas características e funções. Por isso, as ferramentas são diversas e oferecem suporte de diferentes formas, de acordo com o seu objetivo.

Algumas ferramentas integradas, por sua vez, assimilam diversas funcionalidades, permitindo que o desenvolvedor trabalhe com ela em uma ampla variedade de programas. Isso faz com que, em todo caso, a produtividade individual e coletiva seja bem maior.

Os criadores desse tipo de tecnologia entendem muito bem a rotina de um programador, seja ele um adepto do desenvolvimento ágil ou em cascata. Por isso, as ferramentas são criadas visando garantir uma curva de aprendizagem muito alta. As funções são intuitivas e, em pouco tempo, a solução estará totalmente integrada ao dia a dia dos desenvolvedores.

Assim, o ritmo de trabalho — seja no back-end ou no front-end — ganha em velocidade, sem comprometer a qualidade final do software.

Padronização e eficiência nos processos

Podemos considerar eficiência como uma entrega mais ágil e com qualidade garantida. Entretanto, ela pode abranger muito mais que isso, caso haja uma ferramenta para desenvolvedores que atenda às necessidades da empresa.

É natural que a equipe de back-end trabalhe com uma rotina mais padronizada que a de front-end. Ainda assim, quanto menos processos forem executados de forma improvisada, melhor. É por isso que a ferramenta se torna uma grande parceira dos profissionais de ambas as áreas.

Com funções prontas para otimizar seus processos, essa ferramenta IDE (Ambiente para Desenvolvimento Integrado) permite que sua equipe trabalhe de forma padronizada. Isso faz com que haja mais organização e menos imprevistos durante a criação do software.

O próprio gestor de TI ganha em capacidade de gerenciamento. Afinal, essa padronização faz com que os processos sejam definidos em detalhes, aumentando o controle sobre cada cenário.

Mesmo o desenvolvedor front-end, que precisa lidar com questões de design e interface, pode trabalhar dentro de um escopo mais seguro e eficiente.

Foco em usabilidade e experiência do usuário

Com a elaboração de um fluxo de trabalho padronizado, a IDE abre espaço para que o desenvolvedor trabalhe com foco na usabilidade. Ou seja, a simplificação dos processos dá ao programador uma visão mais clara de qual será a experiência do usuário.

No caso do back-end, uma ferramenta que facilita o gerenciamento de bancos de dados ajuda a “encurtar caminhos”, evitando bugs ou problemas que comprometam a disponibilidade do sistema. No front-end, por sua vez, é possível adotar um desenvolvimento visual para deixar o software mais amigável e intuitivo.

Tudo depende de qual é o objetivo do produto que está sendo criado. Em geral, quem mais se beneficia é o desenvolvedor full stack, que precisa lidar com ambos os cenários e otimizar ao máximo seus processos.

Uma ferramenta integrada descarta processos mais burocráticos, deixando o programador livre para focar no que realmente importa.

Redução de custos

Nenhuma mudança estrutural é implementada em uma empresa sem que seja considerado, antes, o impacto financeiro que ela trará. Assim, é natural que se discuta qualquer investimento em ferramentas de trabalho, tomando como base o retorno que ele pode trazer.

No caso das ferramentas para desenvolvedores, esse saldo é extremamente positivo — em boa parte, por conta das outras vantagens citadas aqui. Para começar, temos a questão da produtividade individual e coletiva dos desenvolvedores.

Se uma ferramenta otimiza o tempo de cada um e acelera a entrega dos projetos, a redução de custos é garantida. Em muitas empresas, isso pode significar até mesmo um aumento na geração de releases sem a necessidade de contratar novos profissionais. Afinal, o tempo dos desenvolvedores passa a ser mais valioso.

A padronização e a organização dos processos como um todo garantem uma redução no número de bugs e side effects (bugs gerados por efeito colateral no código) nas fases de teste. Além disso, os procedimentos executados pela própria ferramenta são muito mais seguros. A qualidade do código tende a ser maior, já que ele é simplificado em diversos pontos.

Incentivo ao trabalho colaborativo

Cada IDE sugere um modelo de desenvolvimento que, com o tempo, é adotado por toda a equipe. Se um programador, por exemplo, abre o código de outro, é comum que haja uma certa dificuldade para identificar algumas funções e, principalmente, para corrigir erros. Esse é um cenário bastante comum em times de desenvolvimento.

Com o uso de uma ferramenta para desenvolvedores, esse problema é drasticamente reduzido. Conforme todos passam a conhecer e adotar o modelo de desenvolvimento indicado, a estrutura interna dos códigos convergem para um padrão de fácil leitura.

O resultado é um trabalho mais colaborativo entre os funcionários. Não se trata de forçar um desenvolvimento cooperativo, mas de implementar uma ferramenta que naturalmente gera essa convergência a um modelo padronizado de programação.

Quem trabalha com full stack conhece bem a dificuldade de lidar com desenvolvedores com foco específico em front-end ou back-end. E não se trata de má vontade por parte desses profissionais, mas da escolha por um “estilo” de programação que atenda às necessidades de cada área.

A ferramenta possibilita uma integração mais orgânica entre todas as fases do desenvolvimento. Na prática, ela representa o futuro da programação, no qual os desenvolvedores terão de lidar cada vez menos com o código em si — transferindo processos mais burocráticos para softwares e focando em questões fundamentais de interface e usabilidade.

Como você pôde ver, não se tratam apenas de vantagens. Todo profissional da área deve estar atento para utilizar o que a tecnologia oferece de melhor e não ficar para trás quando surgem grandes tendências como essa.

Faça já uma avaliação em seus processos de front-end, back-end e full stack. As ferramentas para desenvolvedores já são uma realidade e podem elevar a produtividade da sua equipe a um novo patamar!

Gostou do post? Então, fique por dentro de mais novidades seguindo nossas redes sociais: estamos no Facebook, Twitter, LinkedIn, Google+, Instagram e YouTube!