O que avaliar antes de escolher sua plataforma de desenvolvimento?
0 Item

A escolha de uma plataforma de desenvolvimento de softwares deve ser feita com bastante cuidado. Afinal, cabe a essa ferramenta dar mais agilidade e controle ao desenvolvedor sobre as etapas do processo, assim como pode ser o diferencial para que o produto final tenha mais qualidade, com menos custos.

Entretanto, é comum que surjam algumas dúvidas sobre quais seriam os critérios a se ter em mente na hora de tomar essa importante decisão. Pensando nisso, reunimos aqui tudo o que você precisa saber para escolher uma plataforma de desenvolvimento que atenda às necessidades de uma equipe de TI, além de destacar as diferenças entre as principais soluções. Confira!

Aspectos que devem ser considerados ao escolher uma plataforma

Para começar, é importante ter em mente alguns aspectos a serem considerados no momento da escolha. Cada equipe de desenvolvedores pode ter uma dinâmica própria de trabalho, assim como uma variação individual entre os profissionais.

Portanto, fique atento aos itens que listaremos a seguir e faça uma avaliação com sua equipe para saber de que forma eles influenciam na rotina dos desenvolvedores e da empresa como um todo.

Custo-benefício (ROI)

Uma pergunta interessante a se fazer é “quantas horas de desenvolvimento a plataforma precisará economizar para que seu uso seja pago?”. Afinal, nenhuma mudança é realizada na estrutura de uma empresa sem que seja levado em consideração o impacto financeiro que isso traz.

No caso de uma plataforma de desenvolvimento, os benefícios são muitos e, sem dúvidas, podem ser listados a partir do Retorno Sobre o Investimento, ou ROI (do inglês Return Over Investment). É fácil perceber a grande economia de tempo que ela oferece para o desenvolvedor.

Alguns softwares, como o CronApp, têm uma estimativa quanto ao custo-benefício que aponta para uma economia de tempo de, aproximadamente, 4 a 8 horas no mês para que se sustentem! Colocando na ponta do lápis, é fácil perceber que é algo bem viável.

O motivo é que, além do baixo valor para se ter acesso à plataforma, a própria otimização do tempo dos desenvolvedores e a desburocratização da gestão contribuem para garantir essa economia com tranquilidade.

A tendência é que cada nova funcionalidade da plataforma seja pensada de maneira a ajudar na redução do tempo de trabalho e, consequentemente, do custo do processo.

Curva de aprendizagem

A evolução tecnológica alcançou um patamar no qual as ferramentas, principalmente as digitais, devem se adequar às características específicas de cada profissional que as utiliza. Do mesmo modo, suas funcionalidades devem ser mostradas de forma intuitiva, para que a curva de aprendizagem seja alta desde o início da implementação.

Isso é algo fundamental a se levar em consideração na hora de escolher uma plataforma. Não é interessante, por exemplo, que os desenvolvedores sejam obrigados a aprender uma linguagem de programação desconhecida para que possam operar a ferramenta. O ideal é que seu uso seja, desde o princípio, ajustado às demandas da equipe.

Usabilidade

Seguindo adiante, temos as características da plataforma propriamente dita. Que funcionalidades ela oferece? Quais são as vantagens da escolha de uma sobre a outra? De que forma essas funções otimizam o trabalho dos desenvolvedores e gestores?

Essas são perguntas que precisam ser respondidas para que a decisão traga eficiência para o time. Uma boa maneira de compreender como isso ocorre na prática é pensando no desenvolvimento de aplicativos dentro do contexto atual de mercado.

Se o objetivo for, por exemplo, produzir um aplicativo com arquitetura aberta, que permita evolução contínua do código e adaptação a diferentes sistemas operacionais, de que forma a ferramenta pode ajudar? Sua proposta considera os padrões do mercado moderno?

Outra questão importante é a relação entre desenvolvedor e plataforma. De que adianta, por exemplo, uma ferramenta de alta tecnologia, mas que só pode ser acessada de um ambiente de trabalho específico, offline? A popularização dos serviços de nuvem mostra que a disponibilidade de acesso a um software está diretamente ligada à sua usabilidade.

Ferramentas de desenvolvimento devem ser acompanhadas de outras voltadas para a depuração e até mesmo a publicação das aplicações resultantes. De forma geral, não se trata apenas de otimizar a produção de linhas de código, mas de aprimorar o processo de desenvolvimento como um todo — desde a programação até a gestão e o controle.

Fique atento e busque por uma ferramenta realmente eficaz, em vez de um simples aglomerado de funções que, no fim das contas, se mostra tão obsoleto quanto metodologias ultrapassadas.

Produtividade

Por fim, é preciso ter um olhar apurado para avaliar de que maneira a plataforma a ser escolhida pode influenciar na produtividade dos programadores e de toda a equipe. O primeiro ponto a ser destacado é a criação do ambiente de trabalho.

Uma ferramenta eficiente oferece ao desenvolvedor, desde o momento inicial, um ambiente já pronto, que não precisará ser criado a cada novo projeto. Indo além, a disponibilidade na nuvem descarta de vez essa necessidade, já que o ambiente estará lá 100% do tempo, independentemente do local de acesso do programador.

Outro fator interessante é a existência de diversos wizards que servem como facilitadores, já que eles criam uma ampla variedade de classes java. Resumidamente, o desenvolvedor passa a focar seu tempo exclusivamente na criação da aplicação, enquanto processos mais burocráticos — mesmo os de planejamento — são feitos pela própria plataforma.

O alto nível de abstração proporcionado pelas interfaces visuais e recursos como, por exemplo, a opção de programação por blocos que algumas plataformas oferecem, viabilizam o objetivo de aumento da produtividade.

Os tipos de plataforma

Falaremos aqui sobre os dois principais tipos de plataforma de desenvolvimento para que você avalie qual melhor atende às suas expectativas.

On-premises vs. Cloud (SaaS)

A diferença básica é que, no caso de On-premises, a plataforma fica hospedada e roda dentro da infraestrutura da própria empresa. No caso da Cloud, ela é alocada na nuvem. Isso acaba gerando algumas diferenças importantes que devem ser levadas em conta.

Com a demanda por serviços de nuvem cada vez maior, o custo desse investimento vem diminuindo cada vez mais, tornando-o viável até mesmo para pequenas empresas. Além disso, manter sua estrutura online 24 horas por dia é uma tendência que não pode ser ignorada. Empresas que buscam se adaptar ao mercado atual precisam disponibilizar a seus profissionais um acesso mais fácil às ferramentas, onde quer que eles estejam.

Por outro lado, algumas companhias ainda preferem manter seus dados armazenados internamente, o que inclui as plataformas de desenvolvimento. Em geral, a justificativa é a segurança das informações. Entretanto, é possível constatar, hoje, um nível muito mais avançado de proteção em serviços de nuvem, já que há equipes de profissionais extremamente eficientes focadas apenas nessa questão, ao contrário do que ocorre dentro das empresas.

Do ponto de vista do desenvolvimento, é bastante interessante optar pela nuvem e otimizar a comunicação entre os programadores, os gestores e a plataforma. Com o tempo, como dissemos, a tendência é que todas as empresas acabem migrando para o Cloud.

Mantenha essas dicas em mente e, assim, você poderá avaliar as demandas específicas de sua empresa e decidir qual a melhor plataforma de desenvolvimento de softwares para as suas necessidades.

Quer ficar por dentro de outros conteúdos sobre o tema? Então, inscreva-se em nossa newsletter!